sexta-feira , outubro 20 2017
Home / Alagoas / AL é o 3º estado do país com maior nº de mortes por choque elétrico

AL é o 3º estado do país com maior nº de mortes por choque elétrico

Alagoas é o terceiro estado em número de mortes por choque elétrico no país. Só este ano 94 pessoas morreram vítimas de acidente com eletricidade.

Segundo a Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), os acidentes costumam acontecer em situações corriqueiras envolvendo profissionais que trabalham próximo da rede elétrica.

Ainda segundo a Abracopel, 80% dos acidentes com a fiação elétrica envolvem pintores, pedreiros e profissionais da construção civil.

Um dos casos que compõe o número de vítimas é o de Mário Jorge, que tinha 64 anos. Ele estava trabalhando como motorista de caçamba, prestando serviço de limpeza à Prefeitura de Marechal Deodoro, quando foi eletrocutado e teve parte do corpo queimado.

Mário estava terminando o dia de trabalho, despejando o lixo em um terreno de mata em uma região mal iluminada quando a caçamba do veículo acertou um fio de alta tensão.

A dona de casa Rosilene Silva lamenta o acidente. “Eu estava em casa e de repente faltou energia no poste. Fui avisada de que alguém bateu no fio com a caçamba. Quando fomos olhar, ele já estava morto”, relatou.

O diretor executivo da Abracopel, Edson Martinho, afirma que em Maceió as mortes por choque elétrico têm acontecido principalmente dentro de casa.

“Você tem o uso do benjamim [acessório elétrico também conhecido como T de tomada] e começa a colocar muito equipamento. Isso causa um aquecimento que danifica o equipamento. Deixa partes energizadas a vista e as pessoas não percebem e acabam tocando, pisando e aí o óbito acontece”, explica.

Edson diz ainda que um simples toque em uma rede aérea de energia é extremamente perigoso. “Você tem muito acidente quando a movimentação de metais acaba tocando a rede aérea de energia. Uma rede aérea tem em torno de 13 mil volts. Um simples toque em uma rede e é óbito praticamente na certa ou queimaduras muito graves”, esclarece.

 

 
Fonte: G1/AL

Compartilhe com seus amigos
Share on FacebookTweet about this on TwitterPrint this pageEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *